segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Ordem do Lótus Negro



Helio Monteiro


A Ordem do Lotus Negro «O.L.N.» é uma confraria de magos-ocultistas praticantes das Artes Mágicas dos Illuminati. Nossos ensinamentos, em seus fundamentos práticos e doutrinários, apresentam a convergência e a mescla de várias tradições esotéricas diferentes principalmente do Tantra (hindu e budista), Alquimia Hermética e Gnosticismo Egípcio.

A ordem apresenta-se ao público como uma entidade religiosa sem fins lucrativos que mantêm seu próprio sistema teológico, litúrgico e de ordenação sacerdotal.

A teologia gnóstica da O.L.N. não segue um livro sagrado e nem possui dogmas centrais, no sentido de «verdades absolutas», apenas normas místicas e diretrizes gerais que fundamentam os princípios filosóficos e espirituais de seus membros. 

A O.L.N. é composta por indivíduos que formam aquilo que denominamos «Guerreiros de Shamballa». O segredo das iniciações superiores reside na utilização da vontade superior treinada. A vontade espiritual é algo que a humanidade adormecida nada sabe. Ela depende da correta compreensão do significado de Shamballa, pois o caminho para Shamballa passa diretamente pelo Ātma «Vontade Divina e Designo».

A filosofia esotérica da O.L.N. aceita o conceito de que existe, acima dos homens, Hierarquias Espirituais Superiores (Anjos, Devas, Siddhas... e mais) e abaixo há Hierarquias Espirituais Inferiores (Daemons, Elementais etc.). A meta final de todo Mago-Adepto da O.L.N. é alinhar-se com os Seres de Alta Hierarquia Espiritual, para depois exercer domínio e dirigir as Hierarquias Inferiores em proveito de seus objetivos.

Um sacerdote/isa da O.L.N. busca sempre desenvolver seus centros psíquicos superiores afim de se transformar em um Tulku, um canal vivo que processa/canaliza informações dos Planos Ocultos do Universo ou de Entidades Superiores Não-Físicas. Por esse motivo nós da O.L.N. não buscamos adeptos ou seguidores. Somos uma Religião Esotérica que precisa de qualidade e não de quantidade de pessoas para formar nosso corpo sacerdotal. Por conseguinte, a ordem não é uma organização aberta a membros que se inscrevem e pagam uma taxa mensal. O programa da ordem para atrair candidatos ao sacerdócio estabelece que as pessoas devem ser convidadas, e isso só ocorre após um período de preparação e admissão a ordem.

A Ordem do Lótus Negro se foca em uma linhagem de iniciação sacerdotal «sampradāya» que confere a seus membros a conexão com a Alta Hierarquia Oculta ao qual estamos ligados. Estamos falando da egrégora da O.L.N., um engenho de Alta Magia ou Maṇḍala de Força Oculta localizada no Plano Astral. Quando o individuo é iniciado na ordem ele inicia um processo de «samādhi» que é a expansão gradativa da percepção da Consciência. É um processo iluminista, totalmente interior, mas que repercute na vida exterior do iniciado de forma decisiva. Essa «expansão da consciência» ou, melhor dizendo: aumento da percepção de nosso verdadeiro Eu, de nós mesmos, é sempre acompanhada do despertar da kuṇḍalinī, a energia primordial, que se encontra dormente na base da coluna. A conexão com a corrente astral da ordem facilita o despertar espiritual do aspirante pois ele passa a ser protegido em sua evolução pelos Guardiões e Ferozes Lokapalas do Sampradāya ou linhagem de iniciação.

É importante deixar bem claro que a O.L.N. não oferece treinamento mágico para iniciantes e nem cursos à distância seja de que maneira for. Nossos ensinamentos são considerados gupta-vidyā «conhecimento secreto ou oculto» e são transmitidas dentro do sistema paramparā, o que define uma tradicional sucessão de mestres e alunos onde o conhecimento é passado (sem ser diluído) através de iniciações esotéricas e transmissão oral.



O Culto de Lam na O.L.N.

Helio Monteiro «Dharmagupta» o fundador da Ordem do Lotus Negro desenvolve um trabalho ocultista com uma Consciência Extradimensional chamada Lam. Este é o nome de uma entidade ou energia transplutoniana canalizada por Aleister Crowley em 1919 no curso da Operação Amalantrah. Helio estabeleceu uma relação prática entre o Culto de Lam, os Mistérios do Tantra Xamânico e a Magia Cerimonial de raiz thelêmica, promovendo uma ponte entre os Mistérios do Ocidente e Oriente. Este trabalho mágico-esotérico está ligado a história oculta e remota do nosso planeta e tem apresentado, nesta Idade Negra de kali-yuga, os melhores resultados.

Nos termos técnicos do Tantra «laṃ» é o bīja-mantra ou som-raiz do mūlādhāra-cakra, que é a morada da Serpente de Fogo ou kuṇḍalinī no corpo humano. Entretanto, o desenho de Lam feito por Crowley ao invés de um cakra sugere uma entidade alienígena. Na Tradição Iniciática da Ordem do Lótus Negro nós entendemos Lam como o Tulku de uma Inteligência Superior provinda de Sírius, uma estrela localizada na constelação do Cão Maior. Em outras palavras Lam é uma projeção, emanação ou veículo astro-mental, digamos assim, advindo do Logos Sírius ou Logos Galáctico que é o centro cardíaco de nosso universo.

Nas práticas mágicas da O.L.N. utilizamos a cabeça de Lam como uma cápsula oval para proteção da consciência do iniciado na exploração dos reinos desconhecidos da Umbra, assim como o tráfego com outras correntes evolutivas de vida, além dos círculos de tempo e espaço.

A palavra Umbra vem do latim e significa uma sombra, um ser ou lugar. Existem várias Umbras (celeste, natural, telúrica) cada qual com diversos reinos. Entretanto usamos a palavra «Umbra» para designar os reinos espirituais como um todo. Estes mundos não estão totalmente separados uns dos outros, mas estão todos mergulhados num mesmo lugar: o Reino da Umbra, o Mundo Espiritual.

Além das fronteiras do mundo material que conhecemos existe um campo de energia universal que contêm infinitos mundos etéreos e fluídicos, totalmente invisíveis à visão humana. Esses mundos invisíveis também existem na quarta dimensão do espaço que envolve a Terra, como as camadas de uma cebola envolvem seu centro, inclusive os mundos astrais do pós-morte que os tibetanos chamam de bardo.

Existem 49 portais dimensionais na atmosfera astral da Terra que fornecem um acesso ao poder ígneo de Shamballa – o centro onde a Vontade de Deus é conhecida. Cada portal é guardado por um espírito andrógeno que atua como seu guardião. Os espíritos guardiões da Umbra da Terra servem como verdadeiros condutores da Energia Vril ou correntes telúricas. Quando evocados através de rituais apropriados eles ativam as forças da kuṇḍalinī terrestre, o que libera poderes obedientes à vontade dos oficiantes. Os nomes dos guardiões e seus mantras «vibração sonora», yantras «assinaturas» e tattvas «elementos e cores» constituem assunto altamente secreto dentro do Santuário da Gnosis da Ordem do Lotus Negro.

Através de técnicas cerimoniais da Alta Magia é possível travar contato com seres das desconhecidas dimensões que nos rodeiam. Os adeptos da Antiguidade acreditavam que todo o universo, em seus bilhões de estrelas e galáxias, é povoado de vida e consciência. Os planetas e estrelas de cada sistema solar são veículos físicos de Grandes Seres Divinos conhecidos como Espíritos Planetários. Estes seres incorpóreos são Grandes Entidades que regem os planetas e estrelas de um sistema solar e que tem seus habitantes encarnados na matéria do mundo que lhes é próprio.

Sobre o fundador

A O.L.N. foi fundada por Helio Monteiro «Dharmagupta». Estudioso da Filosofia Yogī, Ocultismo Hermético e Budismo Tântrico desde a década de 1980. Em 2010 recebeu iniciação mística nos Ritos Tântricos da Ordem Adinātha e foi consagrado como sacerdote da Igreja Gnóstica da linhagem apostólica de Krumm Heller «Huiracocha», Jorge Adoum «Mago Jefa», Paulo de Paula «Irmão Miguel» e Khaled Khan «Fernando Liguori».

Atualmente trabalha como Terapeuta Reikiano e oferece Consultoria Metafísica e Energética em diversos casos como: mudanças de comportamento, investigação de fenômenos ocultos, bloqueios energéticos, harmonização de ambientes «feng shui», alinhamento dos cakras, resgate da autoestima, desenvolvimento do potencial interior «espiritualidade» etc.


Contato com a O.L.N., clique aqui.

0 comentários:

Postar um comentário

Ola, seja bem vindo para comentar. Utilize o bom-senso, seja profundo.